Futebol ainda é trabalho

Foto: Divulgação Leicester e Divulgação Audax
Os dois, mesmo que com estilos muito diferentes, já fizeram história. (Foto: Divulgação Leicester e Divulgação Audax)

 

Neste fim de semana mais capítulos da história do futebol foram escritos. Leicester e Grêmio Oscasco Audax, que não se parecem em nada no quesito tempo de existência, títulos, estilo de jogo, torcida, “feitos que estão por vir”, entre outros fatores, seguem mostrando que o futebol ainda é, assim como Muricy Ramalho sempre bradou, trabalho.

Como ressaltei no primeiro parágrafo deste texto, que nada mais é que um relato de um amente deste esporte, as duas equipes não são iguais em quase nada (vide que um é “time de empresário” e o outro é um centenário clube que não teve seu momento de glória), apenas no fato de estarem prestes a confirmar que o trabalho é a principal forma do time de menor investimento bater o grande, algo que só pode ser visto no futebol.

O feito do Leicester é talvez a maior zebra da história do futebol. Se classificar para a Champions League já seria talvez, pois se trata de um time que lutava para não cair na última temporada, e conta com heróis improváveis como Vardy, Mahrez e Cláudio Ranieri. O título está próximo, ainda mais com a vitória deste domingo (24), por 4 a 0.

O que o Grêmio Osacos Audax pode conquistar também é surpreendente, é claro. Em uma menor escala, mas é simplesmente incrível. Golear o São Paulo, eliminar o campeão Brasileiro em casa, e em ambos os jogos sendo melhor… É de tirar o chapéu.

Os comandados de Fernando Diniz, que levam à risca, e até se arriscam com os ensinamentos do treinador demostram bem isso, o futebol ainda é trabalho

Eles jogam com a bola no pé, saem jogando (levando os poucos torcedores e simpatizantes a loucura), dominam e fazem jogadas plásticas, isso mesmo sem ser atletas renomados e consagrados. Eles fazem história. Sim, já fizeram história.

Os dois times e seus treinadores mostram, seja lá de qual forma, jogando “feio” ou “bonito”. Com o goleiro driblando ou com chutões e lançamentos. Vertical e sem a posse de bola ou com o tiki-taka. Que o trabalho do dia a dia, o estudo e a dedicação de um elenco segue fazendo a diferença no esporte mais jogado e imprevisível do mundo.

Os títulos podem até não vir. Mas seus nomes já estão escritos, como os que ousaram, tentaram algo novo, estudaram e colocaram em prática o que imaginam do futebol (ou o que precisavam imaginar).

Obrigado, futebol. Obrigado por proporcionar equipes como Leicester e o Grêmio Osasco Audax, que te surpreendem e te fazem amar ainda mais este esporte.

Fotos: Divulgação Leicester/ Divulgação Grêmio Osasco/ Renato Silvestre