O encanto do maior que vi

Nesta quarta-feira (3), percebi uma coisa: o Barcelona do trio MSN (Messi, Suarez e Neymar) é o melhor time que eu vi jogar. E o engraçado, é que eu “percebi” isso no jogo em que eu não vi, só acompanhei os melhores momentos, e que no caso deste jogo, foram extensos. É, não faz muito sentido, mas somente assim pude notar como tenho presenciado a história, vendo ela semana a semana. Passando pelos meus olhos.

O time catalão derrotou o Valencia por 7 a 0 (com quatro gols de Suarez e três de Messi) pela semifinal da Copa do Rei. Neymar, o “N” do trio, que depôs em Madri no mesmo dia do jogo que aconteceu em território Blaugrana, à Justiça Espanhola sobre o obscuro caso de sua transação do Santos para o Barça, passou em branco, mas como de costume, deu assistências, dribles desconcertantes e perdeu pênalti (e digo como de costume, pois o camisa 11 foi quem mais errou da marca da cal na temporada espanhola).

Ok. Mas por que percebi somente no dia 3 de fevereiro de 2015 que este Barcelona é o maior time que vi, e que quando tiver filhos, netos, bisnetos (espero viver muito), irei falar aquela frase: “você não viu o Barcelona para falar o que é bom futebol”. Por que não o Barcelona de Ronaldinho Gaúcho, que até um certo argentino encantar o mundo, era o maior que eu vi jogar. Por que não o Milan de Kaká, a Inter de Mourinho, Eto’o, Sneidjer e Milito? O Real Madrid de CR7, Bale e Di Maria. O próprio Barça de Guardiola e Messi ou tantos outros times memoráveis que vi jogar? Por que este? Seria Messi? Seria Neymar? Seria Suarez?  Os três juntos e o Mascherano fazendo o trabalho sujo?

A resposta não é nada surpreendente/ “bombástica”. Acho que é até chata, por sinal. Este é o maior time que vi jogar por um simples fator: objetividade.

A objetividade desse time faz eu achar qualquer outra equipe no mundo sem lógica/ sem graça alguma. A “fome” destes caras por títulos, gols e jogadas magnificas, me faz torcer para que eles fiquem no mesmo time para sempre, e aposentem ali (o que eu acho que não acontecerá, pois Messi ou Neymar, um dia, buscarão reinar em outra praça do futebol europeu).

O Barcelona de Guardiola era ótimo, mas esse é superior. Parece um estágio avançado, uma evolução. O tiki-taka é bacana, mas golear impiedosamente o seu adversário e sufocá-lo é mais.

A temporada do Barcelona do trio MSN ainda não acabou, e por enquanto eles não venceram nada em 2015/2016. Aquele time do ano passado que levou tudo está ainda melhor, o futebol, porém, ainda é o único esporte onde o “pior” pode ganhar do “melhor”. Fazendo uso das belas palavras de Wendell Lira, o futebol é o único esporte onde o “Davi” ganha do “Golias”. Mas serei sincero, peço por favor, que não apareça nenhum Davi na frente deste Barcelona.

NÚMEROS DO BARCELONA TEMPORADA 2015/2016: Divulgados pela Opta Sports, através do site do clube. 

LIGA ESPANHOLA: 21 jogos (16 vitórias, 3 empates e 2 derrotas – 80% de aproveitamento)

– 54 gols marcados / 17 gols sofridos

– 11.296/13.110 passes – 86% de acerto.

– 276 chutes ao gol (sendo 141 no alvo)

COPA DO REI: 7 jogos (6 vitórias e 1 empate)

– 24 gols marcados/ 4 gols sofridos

3884/ 4467 passes – 87% de acerto.

94 chutes ao gol (51 no alvo)

CHAMPIONS LEAGUE: 6 jogos (4 vitórias e 2 empates)

– 15 gols marcados/ 4 gols sofridos

3672/ 4209 passes – 87% de acerto.

82 chutes ao gol (39 no alvo)

NÚMEROS DO TRIO “MSN”:

M: 12 gols no espanhol/ 3 gols na UCL

S: Artilheiro do espanhol ao lado de Cristiano Ronaldo com 19 gols / 5 Gols na UCL

N: Tem 16 gols no espanhol/ 2 gols na UCL

FOTO: Miguel Ruiz/ Site oficial do Barcelona