O Problema é na base ?

Depois do fatídico 7 a 1 da Alemanha sobre o Brasil, foi repetido como um mantra:” É UM PROBLEMA DA BASE! Muitos especialistas e estudiosos falaram que a formação estava ultrapassada e que o modelo alemão era muito eficiente, afinal, venceu o Brasil por seis gols de diferença.

Realmente, acredito que há um problema na base. Mas não por conta de índice técnico. E sim em quem comanda o futebol nacional, dentro e fora dos campos.

 Uma prova disso, é a convocação de Alexandre Gallo para o Mundial Sub-20. Gallo, que apesar de nunca ter feito nenhum trabalho excelente e de muito destaque, figura como a cabeça pensante da base nacional. Mesmo depois de uma campanha pífia no Sulamericano Sub-20, onde a seleção não apresentou bom futebol e ficou clara a preferência do treinador por jogadores de porte físico elevado em detrimento a atletas com técnica.

O treinador deixou de fora nomes dados como certo no campeonato da Nova Zelândia no próximo mês, como o de Gérson (Fluminense), Gabigol (Santos) e Carlos (Atlético Mineiro). E mesmo assim a seleção tem bons nomes, como Gabriel Jesus (Palmeiras), Judivan (Cruzeiro) e Boschilia (São Paulo).  O que comprova que em quantidade de jogadores com boa técnica, o

Brasil ainda sim é uma referência. Sim, não surgem “Neymares” em escala industrial, mas ainda aparecem jogadores jovens e que despertam interesse de grandes clubes europeus e que podem ajudar os times nacionais nos quesitos técnicos e financeiros.

Mas nomes contestados como o de Yuri Mamute e outros jogadores poucos conhecidos do futebol nacional, seguem na lista. O treinador ainda apostou em nomes pouco conhecidos no país, que atuam na Europa, como Alef (Olimpique de Marselia), Andreas Pereira (Manchester United) e Jean Carlos (Real Madrid). Porém, é importante o teste nestes atletas primeiramente para não surgirem novos “Diegos Costas”, que se naturalizem mais tarde e a CBF se arrependa.

E também porque alguns desses atletas, não tiveram a oportunidade de serem testados, também pelo grande número de jogadores bons no Sub-20.

Os comandantes

Em 2010, Dunga, hoje técnico da seleção principal novamente, foi criticado por sua convocação que não havia jogadores que pudessem fazer a diferença com individualidade, por exemplo. Mesmo tendo Neymar e Ganso em ascensão no Santos. E muito foi dito sobre uma “entre safra” do país. Não, não era falta de jogador.

Em 2014, Felipão, foi criticado por convocar jogadores muito jovens e inexperientes para a Copa. Mas grande parte dos que foram para a Copa, já tiveram convocações em seleções principais e de categoria de base. E aí também não foi falta de jogador, prova disso foi a não convocação de Lucas (PSG) e Philippe Coutinho (Liverpool). E mesmo assim, antes do 7 a 1, o

Brasil era um dos favoritos à conquista.  

Nos dois casos de derrotas nas copas, os treinadores tiveram uma porcentagem na eliminação da seleção por conta talvez de escolhas ruins e ter deixado jogadores de fora.

As seleções de base possuem um único objetivo, abastecer a seleção principal no futuro. Não deveriam servir para promoção pessoal de treinadores, coordenadores, empresários e jogadores. É claro, que um modelo onde todas as seleções desde o “Sub-5” jogam da mesma maneira e com a mesma filosofia seria lindo, mas é utopia. Mas não é por isso, que as categorias de base, deveriam ser tratadas como “anos bissextos”, onde quando aparece um jogador de vez em quando a equipe vence por conta de sua individualidade. Os comandantes, tão atualizados e informados, como eles mesmo dizem, devem ser mais cobrados, já que em suas mãos estão grandes joias, e sim, de muito talento. Neste Mundial Sub-20 da Nova Zelândia, ao contrário do que a CBF quer, o título não deve ser o principal, mas sim saber se esses jogadores serão úteis para um futuro de seus clubes e a seleção principal.

Perder é do jogo, ainda mais se tratando de uma competição onde os atletas estão ingressando no esporte profissional e vivem altos e baixos. Mas jogar bem e apresentar inovações e não o jogo de força física e laterais para dentro da área, isso sim é preciso ser cobrado.

CONFIRA A LISTA DE CONVOCADOS:

GOLEIROS

  • Marcos Felipe (Fluminense)
  • Jean (Bahia)
  • Georgemy (Cruzeiro)
  • David (Criciúma)
  • ZAGUEIROS
  • Marlon (Fluminense)
  • Lucão (São Paulo)
  • Leo Pereira (Atlético-PR)
  • Iago (Criciúma)

LATERAIS

  • Jorge (Flamengo)
  • João Pedro (Palmeiras)
  • Rodrigo (Coritiba)
  • Caju (Santos)

MEIO-CAMPISTAS

  • Jajá (Flamengo)
  • Danilo (Braga – Portugal)
  • Mateus Biteco (Grêmio)
  • Alef (Olympique de Marselha – França)
  • Boschilia (São Paulo)
  • Andreas Pereira (Manchester United)

ATACANTES

  • Gabriel Jesus (Palmeiras)
  • Marcos Guilherme (Atlético-PR)
  • Judivan (Cruzeiro)
  • Kenedy (Fluminense)
  • Yuri Mamute (Grêmio)
  • Caio Rangel (Cagliari – Itália)
  • Bruno Lopes (Criciúma)
  • Jean Carlos (Real Madrid – Espanha)