Quem diria: Para os Venezuelanos, este será o “confronto mais equilibrado contra o Brasil na história”

Sempre que as eliminatórias chegam, junto com a “Libertadores entre seleções” vem a soberba brasileira. Como de costume, nós brasileiros pensamos que esta fase “pré-copa” é apenas para “cumprir tabela”, algo burocrático. Normal, até que veio vexame nas Copas de 2006, 2010 e o pior de todos, em 2014. Fora as derrotas nas Copas América, é claro…

Enquanto os pentacampeões iam perdendo sua identidade (mas não a pompa), as seleções sul-americanas iam evoluindo. Mas não ao ponto de incomodar, a não ser a Argentina, é claro.

Em 2015, porém, a figura mudou. Jamais se viu uma seleção com tanto “medo” de jogar as eliminatórias. E pior, jamais se viu tamanha confiança dos adversários, que atualmente estão em melhor nível. Claro que nem todos, exemplo disso é o desta quarta-feira (13), a Venezuela.

A seleção Vinotinto (Vinho Tinto) é sem dúvidas uma das piores do continente, provavelmente junto com a Bolívia, a pior delas. Mas é de se espantar quando se lê nos jornais daquele país, percebendo um fio de esperança, diria até confiança.

Em um dos maiores portais esportivos da Venezuela, o Meridiano, há a seguinte manchete: “A Venezuela buscará fazer história no Brasil”. Já o El Universal fala em “um dos mais equilibrados confrontos entre as equipes na história”.

Não estou dizendo que no futebol, o adversário de menor porte deva simplesmente aceitar a derrota. Óbvio que não, até porque é no esporte bretão que a maioria das loucuras esportivas acontece. Mas é interessante analisar a transformação da seleção e de seus concorrentes com o passar dos anos.

Esta “confiança” pelo menos por parte da imprensa Venezuela, que, diga-se de passagem, nem vê o futebol como principal esporte, dá um pouco o tom do que o Brasil vem se tornando no futebol. Lembrando que, na primeira rodada, assim como o Brasil, os venezuelanos foram derrotados, porém em casa, por 1 a 0, pelo Paraguai. Além disso, só venceram o Brasil em uma oportunidade em toda a história (coincidentemente ou não, em 2008, com Dunga no comando). E em 2015, foram derrotados na Copa América por 2 a 1, em uma das primeiras partidas da Amarelinha sem Neymar (que segue suspenso).

HISTÓRICO DO CONFRONTO

Uma coisa não se pode negar: a clara evolução da Venezuela ao longo dos anos. A seleção Vinotinto que costumeiramente era o saco de pancadas na América do Sul vem em uma gradativa caminhada rumo à tão sonhada vaga na Copa do Mundo. Nas eliminatórias para a Copa de 2002, por exemplo, foi a penúltima colocada. Já para a de 2006, ficou em antepenúltimo. Para a de 2010, novamente em antepenúltimo, porém, a apenas dois pontos dos uruguaios, que se classificaram para a Copa na África do Sul. Para a Copa no Brasil, os venezuelanos estiveram mais perto, ficaram em sexto, porém a cinco pontos do Uruguai, o quarto colocado.

O confronto com o Brasil, porém, é uma covardia, principalmente quando o assunto é o saldo de gols (são 82 tentos a favor do Brasil contra apenas sete da Venezuela). Mas vale ressaltar que é visível a dificuldade que a Venezuela tem imposto ao Brasil nos últimos jogos. No total, são 22 encontros oficiais, sendo 19 vitórias para o Brasil e apenas uma para a Venezuela e dois empates.  Nos últimos três jogos, porém, aconteceram os únicos empates do confronto, dois 0 a 0 e a vitória brasileira na última Copa América, no Chile, por 2 a 1.  Em eliminatórias, foram 14 jogos (13 vitórias para o Brasil e um empate).

Resultados:

21/06/2015 Brasil 2 x 1 Venezuela – Copa América

03/07/2011 Brasil 0 x 0 Venezuela – Copa América

14/10/2009 Brasil 0 x 0 Venezuela – Eliminatórias

12/10/2008 Venezuela 0 x 4 Brasil – Eliminatórias

06/06/2008 Brasil 0 x 2 Venezuela – Amistoso

12/10/2005 Brasil 3 x 0 Venezuela – Eliminatórias

09/10/2004 Venezuela 2 x 5 Brasil – Eliminatórias

14/11/2001 Brasil 3 x 0 Venezuela – Eliminatórias

08/10/2000 Venezuela 0 x 6 Brasil – Eliminatórias

30/06/1999 Brasil 7 x 0 Venezuela – Copa América

05/09/1993 Brasil 4 x 0 Venezuela – Eliminatórias

01/08/1993 Venezuela 1 x 5 Brasil – Eliminatórias

20/08/1989 Brasil 6 x 0 Venezuela – Eliminatórias

30/07/1989 Venezuela 0 x 4 Brasil – Eliminatórias

01/07/1989 Brasil 3 x 1 Venezuela – Copa América

28/06/1987 Brasil 5 x 0 Venezuela – Copa América

29/03/1981 Brasil 5 x 0 Venezuela – Eliminatórias

08/02/1981 Venezuela 0 x 1 Brasil – Eliminatórias

13/08/1975 Brasil 6 x 0 Venezuela – Copa América

30/07/1975 Brasil 4 x 0 Venezuela – Copa América

24/08/1969 Brasil 6 x 0 Venezuela – Eliminatórias

10/08/1969 Venezuela 0 x 5 Brasil – Eliminatórias

DEVEMOS NOS PREOCUPAR COM…

Já que tenho falado sobre a evolução técnica e no quesito confiança da Venezuela, portanto, falemos um pouco das “armas” desta seleção, que possui alguns nomes conhecidos no futebol mundial.

Antes de citar com que o Brasil deve se preocupar, vale a pena citar que a Vinho Tinto está sem seu principal nome, o meio-campo Arango. Que anunciou sua aposentadoria da seleção no mês passado, após amistosos. Ele era o principal jogador do ataque venezuelano, principalmente por conta de sua bola parada.

Bem, sem Arango, os principais nomes ofensivos da Venezuela são:  Rondón, Jeffrén, Seijas e Falcón. Claro que, para a maior parte da torcida, a preocupação fica para com Rondón e Jeffrén. O primeiro por estar na Premier League (Campeonato Inglês) e o segundo por já ter atuado no Barcelona.  Também vale ressaltar que Rondón já formou o ataque do Zenit, juntamente com Hulk, que deve ser banco nesta noite.

Os Atletas:

– Rondón é atacante e forte no jogo aéreo. Em 42 jogos pela seleção já marcou 14 gols. Atua no West Bromwich.

– Jeffrén é meia-atacante. Ficou conhecido por ter feito toda a categoria de base no Barcelona e na seleção Espanhola, onde conquistou o Europeu sub-19 em 2006 e o sub-21 em 2011. Porém, resolveu jogar  pela seleção principal da Venezuela. O atleta atuou também no Sporting de Portugal. Ele também segue na Europa.

– Seijas é meia. Ficou conhecido por boa passagem pelo Santa Fé da Colômbia, por onde atuou por três temporadas.

-Falcón também é meia. Atualmente está no Metz da França e ficou conhecido por boa passagem pelo Zamora, onde teve média maior de 0,5 gols por jogo em sua passagem de dois anos.

FICHA DO JOGO:

BRASIL X VENEZUELA (Castelão, às 22h, 2ª rodada das Eliminatórias para Copa de 2018)

BRASIL: Jefferson, Daniel Alves, Miranda, Marquinhos e Filipe Luís; Luiz Gustavo Elias; Lucas Lima, Lucas (William) e Douglas Costa; Ricardo Oliveira (Hulk).

VENEZUELA: Baroja, Rosales, Vizcarrondo, Lucena e Cichero; Tomás Rincón, González, Luis Seijas e Falcón; Jeffrén e Rondón.

 

FOTO: Simón Bardinet (Federação Venezuelana de Futebol – FVF)