(Sendo chato): Cinco fatos que fazem de Palmeiras e Flamengo mais um jogo do Brasileirão

Comecei o texto sobre o que a imprensa e os torcedores estão querendo chamar de “final antecipada” com um singelo “sendo chato”. Pois realmente estou sendo. Sou rubro-negro, mas não posso ver uma partida da 25ª rodada ser tratada como final. Claro, estou ansioso, contando as horas e admito, deve ser o jogo mais importante do ano até aqui (sim, perdemos clássicos, fomos eliminados em três competições, mas a carga emocional desta quarta-feira parece única).

Então, como sei que a maioria está animada para o jogo, e nós, rubro-negros gostamos de ir do céu ao inferno em uma partida, vamos aos cinco fatos que, para mim, fazem deste jogo uma partida FUNDAMETAL, mas não uma “final antecipada”.

5 – (Sei, é bem cliché) – TODOS os jogos do Brasileirão valem 3 pontos.

Sei que você já deve ter lido este primeiro tópico e pensou: “Não me diga…”.

Mas pensa bem. Sei que é o jogo em que o Flamengo pode assumir a liderança e pode finalmente “dormir” em primeiro. Mas são os mesmos três pontos que o time deixou de ganhar contra o Botafogo, ao ceder o empate. Ou na derrota com dois gols entregues para o Fluminense, na Arena das Dunas, ou no pênalti desperdiçado no último minuto contra o São Paulo. O Brasileirão é vencido pelo time que perde/ desperdiça menos pontos, e consequentemente, os ganha (meio óbvio). O jogo desta quarta-feira, a meu ver, é para afirmação. Ou seja, mostrar de uma vez por todas que o Flamengo (SEM CASA) está na luta pelo título, que parece que se arrastará até as últimas rodadas.

Foto: Gilvan de Souza/ Flamengo
O #AeroFla foi mais que válido, e a torcida tem mesmo é que apoiar, mas tem muito jogo pela frente! – Foto: Gilvan de Souza/ Flamengo

E cai entre nós, não adianta nada ganhar do Palmeiras e tropeçar lá na frente. Regularidade é o que define o campeão dos pontos corridos, a não ser que você esteja pensando em mais um 2009. Onde lideramos apenas as duas últimas rodadas. Esse time do Flamengo pode mais que isso, e tem feito um campeonato melhor até aqui, e joga futebol de quem irá brigar, portanto, ainda tem muito jogo. E campeão é aquele que entra no Brasileirão jogando TODAS as partidas como finais.

4 – Estamos na 25ª rodada!

Seguindo a linha do primeiro tópico, acredito que todos os jogos valem três pontos. Ou seja, dificilmente, batendo o Palmeiras, o Flamengo vá vencer os outros 12 jogos que lhe restam e levará o hepta facilmente. Mais pontos devem ficar pelo caminho, ou seja, vamos com calma. Uma boa partida no Allianz Parque é fundamental. Para a confiança do grupo e torcida (e que torcida, amigos…). O time não tem casa, e está perambulando pelo Brasil desde janeiro. É lindo ver o Flamengo, um dos poucos times realmente nacionais, mover milhares pelos aeroportos e estádios mais variados, mas certo seria fixar-se em algum lugar, de preferência, no Rio de Janeiro (mas isso é assunto para outro tópico). O Flamengo tem tudo para seguir na disputa pelo título, mas alguns “pequenos detalhes” precisam ser resolvidos e esse é um deles.

3 – Final (precisa/estou torcendo) tem que ser no Rio!

Cariacica vem dando show, e, primeiramente, gostaria de parabenizar a galera do Espírito Santo. Pois eles realmente apoiaram e incentivaram os jogadores e fizeram do Kléber Andrade um verdadeiro caldeirão. Assim como foi Brasília (em alguns momentos) e outras arenas. Mas sejamos sinceros. Todo rubro-negro, até o mais distante, quer mesmo é uma decisão (ou pelo menos jogos) no Rio de Janeiro. O Flamengo atuou apenas uma vez na Cidade Maravilhosa, e como visitante, contra o Botafogo, no empate em 3 a 3. E seria muito lindo se a nossa “final” fosse no Rio. Um jogo decidindo realmente as coisas do Brasileirão. Sei que pode ser muito exercício de futurologia, mas é algo que eu sonho. Maracanã, sabemos que é difícil, Engenhão ide, porém, sonhar não custa nada.

Obs: Sei que este fato está muito opinativo, mas tá valendo!

Foto: Gilvan de Souza/ Flamengo
Diego merece a verdadeira “decisão” no Rio, onde ele chegou carregado – Foto: Gilvan de Souza/ Flamengo

2 – Não será como 2009!

Uma curiosidade: em 2009, na 25ª rodada, o Palmeiras tinha 47 pontos, assim como em 2016. Mas o Flamengo tinha 39, amigos. E não 46, como têm hoje. Ou seja, “esqueçam” 2009. Estamos falando de uma campanha pra lá de regular. Melhor campanha fora de casa assim como o Palmeiras, e, mesmo sem um lar, conquistando pontos como mandante. Realmente eu espero que 2009 não se repita em 2016, por que se isso acontecer, estamos falando de times “descartados” da luta, como Santos e Grêmio, ainda com chances. Acho difícil o Flamengo perder esta regularidade, e isso graças ao trabalho de Zé Ricardo, que realmente mudou a cara do Fla e o transformou em um time “de Brasileirão”. Sabe aquelas vitórias de 1 a 0 e 2 a 1, choradas, no finalzinho e às vezes até sem merecer… É, amigos, nós temos algumas delas já!

Foto: Gilvan de Souza/ Flamengo
2009 foi fo$%! Mas em 2016, a história é outra! – Foto: Gilvan de Souza/ Flamengo

Obs: Relatando 2009, pois, além de ser nossa última referência de título do Brasileirão, coincidentemente, Palmeiras e Flamengo se enfrentaram no segundo turno como líder e vice-líder. Naquela oportunidade, na 30ª rodada. Melhor para o Mais Querido, 2 a 0, como não lembrar. E ainda teve o Atlético-MG x Flamengo, que naquele ano, aconteceu na 34ª rodada. Em 2016, as duas equipes se enfrentam, provavelmente no Mineirão, na 33ª rodada.

1 – Pressão

Claro que todo jogo no Flamengo tem pressão. Olha, pra jogar no Rubro-negro tem que ter sangue nos olhos. Pois a torcida sabe bem pegar no pé. Mas também sabe endeusar (vide Pará, Fernandinho e Gabriel). Mas acredito que seja uma pressão desnecessária colocada nos jogadores, que aparentemente, estão sabendo lidar. E isso vale também para o já conhecido “Cheiro de hepta”. Nós, torcedores, temos o direito de brincar e estarmos otimistas, pois uma das graças do futebol é essa. E eles, os atletas, tem que se encher de confiança por conta disso e do apoio que a Nação tem dado a eles, mas não embarcar na festa. E este último tópico é mais para lembrar, pois o que tem se visto no Flamengo é calma e serenidade.