Um livro que ganha mais um capítulo

Não há dúvidas: Fred é sim um dos maiores da história do Fluminense. É algo indiscutível. E o jogo de ontem, diante do Palmeiras, no Allianz Parque, foi apenas mais um capítulo desta história que facilmente dá um livro.

Estádio do rival lotado, vantagem perdida logo nos primeiros vinte minutos de jogo, lesão no joelho trazida do primeiro duelo no Maracanã, e diversos questionamentos sobre sua permanência em campo. Este aqui que vos escreve foi um dos muitos que ainda no primeiro tempo falou: “Fred não pode voltar para o segundo. Estamos com um a menos em campo”. Mas, ao mesmo tempo, não questionei sua volta para a segunda etapa, pois acreditava que a qualquer momento ele podia mudar a partida. E o fez.

Arrastou-se em campo durante todo o jogo. Provou mais uma vez que, mesmo estando a 100, 90, 70, 50% ou menos, faz toda a diferença. Grita, vibra, se esforça e chora. Como fez após marcar o gol que levou a semifinal para os pênaltis. Só ele sabia a dor e o alívio que estava sentindo naquele momento.

Eu poderia estar aqui criticando o Gum pelo pênalti perdido, o Eduardo Baptista por não ter treinado penalidades no dia anterior, o Marlon por não ter dado um bicão na bola após o Cavallieri defender o pênalti do Zé Roberto. Mas prefiro falar do capitão.

Há sete anos no Fluminense, sou um dos milhões de tricolores que afirmo: FRED É O MAIOR DA HISTÓRIA DO FLUMINENSE. Sei que muitos vão discordar, lembrar-se de Romerito, do Casal 20, de Gerson, Conca e muitos outros. Respeito todas as opiniões.

Fred não se omitiu. Foi pra campo estando meia-boca e mostrou mais uma vez a importância que tem para a história tricolor. Podia ter marcado o gol do empate aos quarenta e tantos minutos do segundo tempo. Mas o destino, o milagre de Fernando Prass e a dor que sentia naquele momento, ao chutar a bola, quiseram que não fosse assim.

O Fluminense não saiu de campo com a vaga na final da Copa do Brasil. Mas, com certeza, Fred saiu com mais um capítulo para contar em um provável livro de sua passagem pelo Tricolor. Livro este que aguardo ansioso, pois serei um dos primeiros a comprar.

Por: Marcelo Ribeiro

Foto: Rodrigo Gazzanel – Agência Estado